200 livros: Novos intérpretes do Brasil? A geração dos anos 1960-1970

Share

O conceito de “intérpretes do Brasil” deve ser creditado ao crítico literário Antonio Candido por conta de seu clássico prefácio a Raízes do Brasil. Para o autor, a geração que se formou entre as décadas de 1930 e 1940 teria… Continue Lendo

200 livros: O campo e a cidade na literatura brasileira

Share

Para o post desta semana dos “200 livros para pensar o Brasil”, selecionamos 10 livros que abordam questões como violência, pobreza e racismo; resistência, luta e esperança. De um malandro carioca do começo do século XIX a mulheres quilombolas do interior da Bahia do século XXI, de Lima Barreto a Conceição Evaristo, o leitor tem à sua disposição um painel variado sobre os muitos campos e cidades brasileiras Continue Lendo

200 livros: Povos Indígenas no Brasil

Share

Seleção da “200 livros para pensar o Brasil” reúne a obras que discutem, sob diferentes óticas, questões relacionadas aos povos ameríndios no Brasil. ?Entre os livros presentes, estão obras de nomes como Davi Kopenawa Yanomami, Ailton Krenak, Manuela Carneiro da Cunha, Claude Lévi-Strauss Continue Lendo

200 livros: Pioneiros da História Econômica do Brasil

Share

A historiografia econômica produziu no período compreendido entre as décadas de 1950 e 1970 algumas das mais relevantes contribuições para pensar o Brasil. Influenciadas tanto pelo marxismo como pelo estruturalismo latino-americano, essas contribuições buscavam elucidar, a partir do passado colonial,… Continue Lendo

200 livros para pensar o Brasil

Share

A aproximação das comemorações do bicentenário da Independência torna ainda mais necessária e urgente a tarefa de repensar o país. Para contribuir com esse esforço de reflexão, a Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (BBM-USP) apresenta a seleção dos 200 livros para pensar o Brasil. Continue Lendo

Tratado Descritivo do Brasil em 1587

Share

O Tratado Descritivo do Brasil, escrito por Gabriel Soares de Sousa, conta em detalhes e com riqueza de exemplos os traços mais marcantes do Brasil quinhentista. Os caranguejos, o pau brasil, a rota dos ventos, os costumes dos indígenas, a fertilidade do solo, os engenhos de açúcar e muitos outros tópicos dividem as páginas deste livro, considerado fundamental para a compreensão de como se deram os primeiros contatos dos portugueses com esta terra e com a gente que nela vivia. Continue Lendo

Línguas indígenas, missionários e dominação colonial: o Catecismo da doutrina christãa na lingua brasilica da nação kiriri

Share

O Catecismo da doutrina christãa na lingua brasilica da nação Kiriri, foi escrito pelo padre Mamiani. Nascido na Itália, em 1652, Luís Vincêncio Mamiani entrou para a Companhia de Jesus com 16 anos. Em 1684, sai de Lisboa e vai à Bahia, com o intuito de atuar na Missão do Maranhão. Continue Lendo

Isabel Lady Burton, uma viajante oitocentista

Share

por Patricia Freire do Nascimento Isabel Lady Burton foi uma viajante, exploradora, tradutora e escritora inglesa que viveu no século XIX. Marginalmente conhecida por ser esposa do diplomata, explorador e escritor Richard Burton, ao longo de sua própria vida, Isabel também… Continue Lendo

Cruz e Sousa, o simbolismo à margem

Share

Nascido em Desterro, atual Florianópolis, o poeta João da Cruz e Sousa (1861-1898) é considerado o inaugurador do Simbolismo no Brasil, o que se se deu com a publicação de duas obras, ambas publicadas em 1893: Missal (poesia em prosa) e Broquéis (poesia) Continue Lendo

BBM Indica: Revista Floreal

Share

Lançada em outubro de 1907, Floreal era dirigida e editada por Lima Barreto, então um jovem com 26 anos e sem nenhum livro publicado Continue Lendo