Viagem pelo Brasil de Martius e Spix: arte e ciência como faces de uma mesma moeda

Share

Era julho de 1817 quando Carl Friedrich Philipp von Martius e Johann Baptist von Spix aportaram no Rio de Janeiro, cerca de três meses após deixarem Trieste, hoje cidade italiana. A dupla de pesquisadores encabeçava uma ambiciosa expedição idealizada anos antes, mas que só pôde se concretizar graças à ocasião do casamento da arquiduquesa Leopoldina com o príncipe herdeiro Pedro I — o rei Maximiliano José I da Baviera usou de seu poder de influência para agregar os destacados cientistas ao séquito da noiva: Spix, mais experiente e prestigiado, se valeria de sua formação em medicina e zoologia; Martius, um pouco mais jovem, numa carreira em franca ascensão, tinha como especialidade a botânica. Não será supérfluo lembrar que, menos de uma década antes, em 1808, Dom João decretara a abertura dos portos brasileiros às nações amigas de Portugal, fato cuja relevância leva historiadores a, não raramente, denominá-lo como um “novo descobrimento do Brasil”. Essa interpretação se justifica pela renovação do interesse europeu pela exploração da América, que já não se resumia ao campo político-econômico, estendendo-se agora ao âmbito cultural com igual disposição.

Escritas parte durante a árdua empreitada, parte após o retorno a Munique (que se deu aproximadamente três anos depois de percorridos os primeiros quilômetros), as anotações dos dois bávaros renderam não só a edição em três volumes da Viagem pelo Brasil, como também alimentaram a composição de um catálogo da vegetação do país, a Flora brasiliensis, além de uma série de outros textos sobre os mais variados assuntos, incluindo o controverso — e entretanto relativamente bem recebido na época — Como se deve escrever a história do Brasil, assinado por Martius. Dos numerosos ramos possíveis de análise e interpretação desses relatos, pode-se destacar um: o influxo de mão dupla entre ciência, arte e filosofia que os rege e deles emana. O estereótipo do acadêmico dos nossos tempos, preso entre artigos, pareceres e congressos pouco tem a ver com a índole impetuosa de Spix e Martius, responsáveis por feitos que vão do grandioso ao doentio, como se bem poderia adjetivar a fúria colecionista que os levou a arrastarem consigo um casal de comá-tapuias no retorno à Europa. Tomados como espécimes, a condição dos dois indígenas mal se diferia daquela de um animal a ser embalsamado e exibido num museu. Sabe-se lá o que deles seria feito se tivessem sobrevivido à viagem e ao impiedoso frio de Munique.

Animais da América tropical, por Martius e Spix

 

O imaginário romântico e os relatos de viagem

O complexo ideário romântico abriga, entre tantas outras tensões, a valorização da individualidade sobre o pano de fundo da busca por uma identidade nacional. Também sob esses elementos podemos compreender esse que talvez tenha sido o último momento da história em que ainda era possível almejar um conhecimento total, indiferente às compartimentações típicas do saber especializado. Com o crescimento no número de viagens marítimas de longa distância, em decorrência do desenvolvimento tecnológico que pouco a pouco as tornava mais seguras e menos demoradas, combinado ao aprimoramento das técnicas de impressão e reprodução de textos e imagens, floresceu o gênero dos relatos de viagens, que tão bem se prestavam à necessidade de registro de mundo que se apresentavam como novos ao olhar europeu. Una-se a isso as correntes filosóficas, de Rousseau a Schiller, que viam na natureza um meio de redenção para o homem, e se entenderá o fascínio que o verde intacto — que começava a rarear na Europa urbanizada, mas ainda era pujante no Brasil — provocava nos alemães.

Entremeados a descrições de um duro linguajar científico, encontram-se na Viagem pelo Brasil trechos de notável matiz literário, que evidenciam o anseio de Martius e Spix de dar ao seu relato uma dimensão estética algo estranha ao que hoje entende-se por ciência. Veja-se uma passagem que registra as impressões do Distrito Diamantino:

Quase parece que a natureza escolheu para a região originária dessas pedras preciosas os mais esplêndidos campos e os guarneceu com as mais lindas flores. Tudo que até agora havíamos visto de mais belo e soberbo em paisagens, parecia incomparavelmente inferior diante do encanto que se oferecia aos nossos olhos admirados. Todo o Distrito Diamantino parece um jardim artisticamente plantado, a cuja alternativa de românticos cenários alpestres, de montes e vales, se aliam mimosas paisagens de feição idílica.”

Noutros momentos, a leitura do relato proporciona um sentimento de obsessão pelo registro. Lado a lado colocam-se em comparação procedimentos técnicos aqui encontrados com os praticados na Europa; análises mineralógicas, descrições geológicas e climáticas; inventários de plantas e animais; comentários sobre a economia e a história das localidades que visitam; exposição de costumes; julgamentos morais a respeito da natureza e do comportamento daqueles que encontram; exaltação de indivíduos tidos como ilustres e muito mais, tudo conjugado às anotações do dia a dia da comitiva, de tal forma que se torna forçosa a conclusão de que não havia absolutamente nada da realidade brasileira que não lhes interessasse.

A convivência com os colonos brasileiros […] já lhes deu [aos macuanis] alguma noção de civilização e aqui no Alto dos Bois, onde são uns 30 atualmente, costumam esses índios lavrar a terra e plantar milho, feijão e mandioca, embora as caçadas sejam a sua ocupação predileta. […] já os traços da fisionomia eram animados pelos primeiros raios de civilização, e a cor vermelha não muito carregada, porém mais semelhante à dos mongóis […]. Habitam choças baixas […]. Creem num deus e em muitos demônios […]. Também se mostra a sua indolência no fato de não festejarem época alguma da vida com regozijos, excetuando a entrada das mulheres na puberdade, quando se organizam danças à noite. […]. Os homens são inclinados à poligamia, e se aqui se abstêm dela é devido à influência dos soldados brasileiros; mas, ciumentos é que não são, pois, às vezes, até chegam a oferecer suas mulheres aos estranhos, e nisso diferem muito dos botocudos […]. Costumam essas macuanis enterrar os cadáveres dos filhos pequenos nas suas choças; os dos adultos, porém, longe da aldeia. Sobre a sepultura destes últimos, que eles cercam com um rego de água, depositam carne e frutos, e acendem fogo, a fim de que nada falte ao defunto. Tempos depois, espetam uma lança sobre o túmulo, ou constroem por cima uma cabana. Nesses usos, nota-se semelhança notável com os dos negros da África tropical.

Vê-se a facilidade com que a prosa desliza pelo modo de subsistência da tribo, passando por uma concepção hierárquica de raças, seguindo-se a isso observações sobre casamento e religião, a comparação entre os traços físicos dos nativos e os de povos distantes, e assim por diante, sem que o relato, no entanto, redunde numa massa desordenada de informações — as qualidades literárias do texto não são desprezíveis.

 

A exploração do Brasil como uma variante do mito fáustico

Em “Goethe à brasileira”, texto publicado pela Revista FAPESP, Marcus Mazzari, professor do departamento de teoria literária e literatura comparada da FFLCH-USP, nos conta que nas fichas de empréstimos da biblioteca de Weimar consta que Goethe retirou várias vezes a Viagem pelo Brasil. Mais do que isso: em trechos de seu diário registra que, em homenagem ao “brasileiro Martius”, como ele o chamava, pendurou em seu escritório um mapa do Brasil numa das visitas do naturalista ao seu escritório. Disso e de outras informações, como a de que Goethe chegara a conhecer canções tupi e as acrescentara ao vasto cabedal de referências para a construção de Fausto, como nos informa Mazzari em uma de suas notas para uma tradução do poema, chega-se à duas conclusões: a de que os relatos sobre o Brasil dessa época foram um manancial de inspiração para a literatura romântica (principalmente via Goethe, um de seus precursores); e de que a obra de Martius e Spix ocupa posição privilegiada entre as fontes que serviram de substrato para essa produção. O tema fáustico, nascido de lendas populares do território alemão, e tendo tomado uma forma literária mais sofisticada por muitos outros autores além de Goethe, como Thomas Mann e Guimarães Rosa, se insinua fortemente na jornada de Martius e Spix, sustentada pela insaciável sede de apreensão da realidade em todos os seus meandros o conhecimento como a forma de poder mais elevada.

Em suma, a Viagem pelo Brasil é um daqueles trabalhos que se encontram entre os nós mais importantes das ramificações da história ocidental — seja pelo viés artístico, pelo científico ou pelo político-ideológico.

Referências

ANDRADE, Rodrigo de Oliveira. “Goethe à brasileira”. Pesquisa Fapesp, São Paulo, ed. 242, p. 94-95, abr. 2016. Disponível em: <http://revistapesquisa.fapesp.br/2016/04/19/goethe-a-brasileira/>. Acesso em: 14 maio 2018.

LISBOA, Karen Macknow. A nova Atla?ntida de Spix e Martius: Natureza e civilizac?a?o na Viagem pelo Brasil, 1817-1820. São Paulo: Hucitec, 1997.

GOETHE, Johann Wolfgang von. Fausto I. São Paulo: Editora 34, 2004. Tradução de Jenny Klabin Segall. Apresentação, notas e comentários de Marcus Mazzari.

 

Angelo Assunção Damasceno Orio é graduando em Letras – com habilitação em português e linguística – pela FFLCH-USP.

 

Curadoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *