Mulheres da Nossa História

Share

A Um Coração Delicado

 

No Jardinete perfumado e lindo

Da sua ingenua e lyrial candura

De um caricioso olhar á canlentura

Nascera um dia aquelle amor infindo;

 

E a pequenina planta, descobrindo

Da alma innocente á madida fescura,

Foi vicejando ao rocio da ternura

E o setinoso cálice entre-abrindo…

 

Medrou, cresceu… E agora, em doce arfagem,

Da primavera os hálitos levantam

Do arbusto da alma a rórida folhagem;

 

E sobre a olente cúpula de flores

Canta o sorriso e as esperanças cantam

A cavatina eterna dos amores.

 

Em comemoração ao dia Internacional da Mulher, selecionamos a poesia de uma das mulheres da nossa história.

Escrito por Zalina Rolim em 1893, faz parte do livro de O Coração: Poesias.

Além de poetisa a autora também foi educadora, e considerada uma das precursoras da poesia infantil no país. Ao lado de Presciliana Duarte de Almeida, Francisca Júlia e Olavo Bilac, contribuiu para a criação de uma produção poética brasileira para crianças.

Na época da divulgação do livro, já trabalhava como colaboradora nos jornais A Província de São Paulo (O Estado de S. Paulo), Correio Paulistano e O Itapetininga. Entre 1896 e 1897 participou ativamente da gestão escolar infantil. Traduziu obras em inglês e italiano utilizadas no ensino e colaborou na Revista do Jardim da Infância com traduções, adaptações e produções originais de pedagogia, ficção e poesia. Em 1897 publicou seu primeiro Livro das Crianças, em edição promovida pelo governo do Estado de São Paulo para distribuição nas escolas públicas. Nos anos seguintes foi colaboradora n´A Mensageira: Revista Literária Dedicada à Mulher Brasileira, dirigida por Presciliana Duarte de Almeida, e na revista Educação.

Oficializado pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1975, o Dia Internacional da Mulher é comemorado desde o início do século XX. Hoje, a data é lembrada como um dia para reivindicar igualdade de gênero, aproximando-a de sua origem nas lutas feministas por melhores condições de vida e trabalho, e pelo direito de voto.

Certamente, o 8 de Março é um dia de luta, dia para lembrarmos que ainda há muitos problemas a serem resolvidos, como os da violência contra a mulher, do feminicídio, do aborto, e da própria diferença salarial, explicou a socióloga brasileira Eva Blay em reportagem à BBC News Brasil, uma das pioneiras nos estudos sobre os direitos das mulheres no país.

Confira mais poemas de Zalina Rolim e obras de outras mulheres pioneiras em nossa Biblioteca Digital!

Acesse: https://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/7725

Matéria da BBC Brasil em https://www.bbc.com/portuguese/internacional-43324887

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *